The Three-Body Problem (por, Cixin Liu)

TBPThe Three-Body Problem é o primeiro volume da triologia Remenbrance of Earth’s Past, do escritor chinês Cixin Liu, e um dos melhores livros de ficção-científica que já li. Inicialmente publicado em episódios na popular revista chinesa Science Fiction World, o romance foi galardoado com o Chinese Science Fiction Galaxy Award nesse mesmo ano. The Three-Body Problem, vê a sua primeira edição em formato livro, chegar às bancas das livrarias chinesas em 2008 e em 2014 chega às bancas anglófonas uma tradução de Ken Liu. A edição inglesa foi nomeada para o prémio Nébula de melhor romance de 2014, e acabou por receber o prémio Hugo para o melhor romance, em 2015.

‘Vivid, imaginative and rooted in cutting-edge science… Cixin stands at the top tier of speculative fiction in any language.’ David Brin

The Three-Body Problem, é um romance que encaixa perfeitamente na categoria de Hard Scicen Fiction, caracterizada pelo elevado grau de rigor e fidelidade científica. O próprio título do romance remete-nos para um velho problema da física: a questão da interação gravítica entre três corpos e da previsão das suas trajetórias. O problema dos três corpos é um caso particular do problema dos n corpos. Inicialmente abordado por Americo Vesppucci, em 1499, e posteriormente por Galileu Galieli, o problema dos três corpos apenas só pode ser abordado à luz de uma teoria com descritores matemáticos depois da publicação do famoso livro de Isaac Newton Philosophiæ Naturalis Principia Mathematica, em 1687. A questão do problema dos três corpos persiste ainda hoje. Não é pos´sível encontrar uma solução numérica, analítica ou iterativa, para a questão. Em 1912, o matemático finlandês Karl Fritiof Sundman mostrou que existe uma série convergente capaz de resolver o problema. Porém, a série converge tão lentamente que torna impossível qualquer aplicação prática, estimando-se em 108,000,000 o número de iterações necessárias para obter um resultado com rigor suficiente para ser usado em cálculos astronómicos – impossível de obter, mesmo com o poder de cálculo dos mais sofisticados computadores atuais.

Este número astronómico explica o falhanço da tentativa de cálculo interativo feito por um computador constituído por várias centenas de milhares de soldados humanos que funcionam como bits (e são mortos por um rei ditador, quando erram na sua função) criando um conjunto de logic gates, CPU e bus (constituídos por soldados a cavalo que percorrem as diferentes partes da motherboard). Liu consegue uma descrição sublime da complexidade e da beleza da estrutura lógica de um computador, recordando-nos, simultaneamente, das condições precárias a que os trabalhadores chineses estão frequentemente sujeitos.

Um caso comum do problema dos três corpos é o estudo do movimento de um planeta e do seu satélite em torno de uma estrela. Uma situação problemático que requer uma solução técnica adequada no que respeita ao controlo das trajetórias dos satélites artificiais em órbita terrestre. Para dar resposta a esta dificuldade os cientistas adotaram soluções práticas eficazes, ainda que, do ponto de vista teórico, constituam apenas boas aproximações e não aplicações rigorosas das equações que sustentam a teoria. A simplificação feita nestes casos passa por separa o problema em duas partes. Numa primeira fase, considera-se o sistema Terra-satélite como um corpo único que se move em torno do sol. O estudo do movimento do satélite em torno da terra é feito negligenciado o movimento em torno da estrela. Por fim combinam-se as duas situações, numa aplicação prática do Princípio de Galileu sobre a Independência dos Movimentos, e temos uma descrição aproximada da trajetória que tem de ser corrigida para as “perturbações” provocadas pelo sol. Neste caso particular, o problema dos três corpos é simplificado através do estudo de dois problemas de dois corpos, de tratamento matemático simples e conhecido de qualquer estudante finalista do ensino secundário que tenha optado por um curso que inclua a disciplina de física.

A situação complica-se quando se procura estudar um sistema triplo de três estrelas, em que não se pode desprezar os efeitos gravíticos de nenhuma delas, como se faz no caso do sistema Sol-Terra-satélite. Um exemplo, é o sistema Alpha de Centauri, constituído por três estrelas (duas estrelas brilhantes de meia idade e uma anã vermelha, mais afastada) que se orbitam mutuamente, desenhando trajetórias caóticas entre si. Se a este problema, adicionarmos um planeta cujos habitantes tentam fazer previsões sobre a duração dos dias e notes e das estações do ano, temos um cenário ideal para um romance de ficção científica, como terá oportunidade de confirmar ao ler o livro.

‘A marvellous mélange of awe-inspiring scientific concepts, clever plotting and quirckly yet plausible characters.’ TLS

Se no campo do rigor científico podemos classificar o romance como Hard Science Fiction, no domínio filosófico e reflexivo, poderíamos apelidá-lo de Hard Science Based Philosophy. O cenário em que a humanidade estabelece contacto com uma civilização extraterrestre está longe de ser inovador e já foi recuperado por variados autores, nomeadamente no famoso romance Contacto, de Carl Sagan. Mas, é no desenrolar da ação, nos diálogos entre humanos e nos diálogos entre os membros da civilização extraterrestre, que Liu desvenda todo o potencial filosófico da obra.

Em 1967, Ye Wenjie vê o seu pai ser brutalmente torturado até à morte, pelos militantes da Revolução Cultural Chinesa. Este episódio, acaba por determinar não só o futuro da jovem física, mas também de toda a humanidade. Liu, não hesita em expor o que de pior há na espécie humana. Fá-lo cruamente, mas sem descurar a capacidade criativa e construtiva igualmente presente na natureza humana.

Liu prossegue a crítica, deixando, na esteira de Carl Sagan e do seu Mundo Infestado de Demónios, uma forte crítica à crendice e ao pensamento de cariz religioso, como o testemunha o diálogo apresentado abaixo, que decorre entre membros da classe governante da civilização extra-terrestre:

“To effectively contain civilization’s development and disarm it across such a span of time, there is only one way: kill its science.”

The science consul said, “The plan focuses on emphasizing the negative environmental effects of scientific development and showing signs of supernatural power to the Population of Earth. In addition to highlighting the negative effects of progress, we’ll also attempt to use a series of ‘miracles’ to construct an illusory universe that cannot be explained by the logic of science. After these illusions have been maintained for some time, it’s possible that Trisolaran civilization may become a target of religious worship there. Then, unscientific ways of thinking will dominate scientific thinking among human intellectuals, and lead to the collapse of the entire scientific system of thought.”

O enredo desenvolvido ao longo do romance, mostra que Liu é um crítico do velho mito (a que gosto de chamar mito celestial) de que um possível encontro com uma potencial civilização extraterrestre seria sempre benéfico para ambas. Como o diálogo anterior deixa transparecer, a civilização com quem os humanos estabeleceram contacto é tudo menos acolhedora.FullSizeRender

Os restantes dois títulos que completam a trilogia são, The Dark Forest e Death’s End e já se encontram nas prateleiras cá de casa. Um novo artigo sobre esta trilogia não deve tardar.

No posfácio do livro, Liu afirma:Em síntese, trata-se de um romance ambicioso, não só do ponto de vista científico, mas também filosófico e cultural um contexto geográfico e temporal bem definido. Levanta questões nos domínios referidos, enquanto que prepara o terreno para assistirmos a um acontecimento que vai mudar radicalmente o mundo. Com elevado nível conceptual, The Three-Body Problem é uma novela que oferece uma intrigante perspetiva oriental bem enraizada em jogos imersivos de realidade virtual,  típicos do século XXI.

“I’ve always felt that the greatest and most beautiful stories in the history of humanity were not sung by wandering bards or written by playwrights and novelists, but told by science. The stories of science are far more magnificent, grand, involved, profound, thrilling, strange, terrifying, mysterious, and even emotional, compared to the stories told by literature. Only, these wonderful stories are locked in cold equations that most do not know how to read. The creation myths of the various peoples and religions of the world pale when compared to the glory of the big bang. The three-billion-year history of life’s evolution from self-reproducing molecules to civilization contains twists and romances that cannot be matched by any myth or epic. There is also the poetic vision of space and time in relativity, the weird subatomic world of quantum mechanics …these wondrous stories of science all possess an irresistible attraction.“

E sem sombra de dúvida que The Three Body-Problem é uma excelente instância de um texto com tais característica.

De leitura incontornável para todos os fanáticos (bem como para os apreciadores mais moderados) da ficção científica, seria um verdadeiro prazer poder relê-lo numa tradução para português europeu.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s